O progresso santista de grão em grão

24/05/2019

Saiba como a história do café no Brasil impulsionou o desenvolvimento de Santos 

A Bolsa do Café

A Bolsa do Café foi criada em 1917 através de um decreto federal e começou a operar em Santos num prédio na Rua XV de novembro, a bolsa era formada por empresários e agricultores que negociavam entre si a cotação e os preços das sacas de café. Foi no ano de 1922 que a Bolsa foi transferida para o palácio, existem algumas teorias de como surgiu a ideia do palácio, uma delas é de que nessa época a recém estabelecida elite cafeeira de São Paulo estava à procura de um meio para se firmar como construtora da nação juntamente com os mineiros e cariocas, então após a segunda metade do século XIX, quando o café começou a ser produzido nas regiões de Campinas e Itu, iniciou-se a formação de uma burguesia que apresentava interesse em sua história. 

A outra hipótese é a de que o palácio teria sido uma forma da cidade de Santos deixar sua marca no Centenário da Independência do Brasil, a data foi de extrema importância para o país e por todos os lugares surgiram programações e grandes obras que fariam parte do evento, como Santos já havia sido consagrada com porta de saída da maior riqueza do estado de São Paulo, muito esforço foi colocado para que a data fosse devidamente assinalada como um marco da história. O Palácio da Bolsa do Café, inaugurado em 1922 atestava a grande prosperidade e grau de civilização que atingiu a elite cafeeira, a sala dos pregões públicos, majestosa e imponente, contou com um conjunto de obras idealizadas e executadas por Benedicto Calixto.

O Museu do Café

O Museu do Café foi inaugurado em 1998, é um dos principais pontos turísticos da cidade de Santos, e seu objetivo é preservar e divulgar a história do café no Brasil e no mundo, para isso conta com objetos, documentos, recursos audiovisuais e todo um ambiente voltado a mostrar ao público como a evolução da cafeicultura está diretamente ligada ao desenvolvimento político, econômico e cultural do país desde o século XVIII, até os dias atuais. 

O museu conta também com uma cafeteria no piso térreo que disponibiliza aos clientes uma grande variedade de grãos produzidos em diferentes regiões do Brasil, conta com o Centro de Preparação do Café (CPC) que oferece cursos oficinas e palestras especializadas para diferentes públicos com o objetivo de estimular a busca por informações e técnicas sobre o preparo do grão. O museu conta ainda com o Centro de Preservação, Pesquisa e Referência Luiz Marco Suplicy Hafers (CPPR) que disponibiliza uma diversidade de publicações e documentos sobre o café e sua história, tudo para consulta gratuita, o agendamento pode ser feito por aqui.

O interior do Museu

O interior do museu tem como destaque do acervo no salão do pregão a enorme mesa principal cercada por 70 cadeiras, aonde eram realizadas as negociações que determinavam as cotações diárias das sacas de café. No mesmo espaço os visitantes têm a oportunidade de admirar as telas "O Porto de Santos em 1822 ", " A Fundação da Vila de Santos - 1545 ", " O Porto de Santos em 1922 " e o vitral " A Epopeia dos Bandeirantes ", todas as obras feitas pelo expoente da pintura brasileira Benedicto Calixto.

Sobre a Bolsa do Café: 

Endereço: A Bolsa do Café fica na Rua XV de novembro n°95 - Centro Histórico.

Horário de Visitação: Aberto de terça a sábado das 9h às 17h, e domingo das 10h às 17h.

A cafeteria abre de segunda a sábado das 8h às 18h, e nos domingos das 10h às 18h.

Ingressos: R$ 10,00

O valor é de apenas R$ 3,00 para estudantes, professores da rede pública e maiores de 60 anos.

Crianças até 5 anos de idade não pagam.

Para mais informações acesse: https://turismosantos.com.br/?q=pt-br/node/75

Tel. (13) 32131750

Redação: Gabriel Stelita Schalch  |  Fotografia: Diogo Peres  |  Imagem: Nicolas Negrão  |  Direção: Thiago Manias


PUBLICAÇÕES RECENTES